• Publicado em

    Adolescente de 14 anos é filmado passando a mão nas partes íntimas de professora

    No vídeo, que viralizou na internet, o estudante xinga a professora, joga os livros dela no chão, dá tapas e, não satisfeito, ainda passa a mão nas partes íntimas da educadora.

    No vídeo, que viralizou na internet, o estudante xinga a professora, joga os livros dela no chão, dá tapas e, não satisfeito, ainda passa a mão nas partes íntimas da educadora.O jovem estuda na 6º série. As agressões são testemunhadas por outros alunos, que riem. “Você é feia, desconfia. Você tem homem?”.

    Ele joga os livros no chão e dá ordens: “vai pegar, p…, vai pegar agora”. Ele ainda toca as partes íntimas da educadora.  “Está com medo de se sentir ofendida? nao vai falar nada? Você está tremendo, querida? E se eu pegar nos seus p…? Vagabunda”. Diante das agressões, a professora também perde o controle, xinga e chega a dar um tapa no aluno.

    Assista:


    Vídeo mostra aluno humilhando professora em escola por thevideos11

    Pai interna aluno que agrediu professora em centro psiquiátrico de BH

    Ele alega que o jovem não estaria recebendo a medicação e, por isso, ficou fora de controle

    O adolescente de 14 anos filmado ao agredir e xingar uma professora na Escola Estadual Dom Jose de Haas, em Araçuaí, Vale do Jequitinhoa, será internado no Cepai (Centro Psíquico da Adolescência e Infândia), no bairro Santa Efigênia, região leste de Belo Horizonte. O pai do menino, Juarez Gomes Caldeira, de 51 anos, acompanha o filho na viagem até a capital mineira.

    Caldeira, que é separado da mãe do garoto, conta que o jovem sempre apresentou problemas de comportamento e foi diagnosticado com “retardo mental leve” durante avaliações feitas em Belo Horizonte. Ele explica ainda que o filho passou a ser agressivo depois de ter sido abusado sexualmente aos sete anos de idade por um adolescente. Ele afirma que durante os anos em que teve a guarda provisória do menor, procurou integrá-lo à vida escolar.

    — Eu permanecia na sala de aula com ele, para ele aprender a respeitar os colegas, os professores, a diretora e a própria instituição. Enquanto ele viveu comigo, 24 horas do meu tempo era do lado dele.

    Há cerca de três anos, o garoto voltou para a casa da mãe. Agora, o pai culpa a ex-mulher por tudo que aconteceu. Ele alega que ela não estaria dando a medicação indicada para o tratamento do filho, além de ter afastado o garoto dos projetos sociais e da própria escola. No ano passado, em um dos surtos, ele atacou um homem a pedradas e ainda atacou Caldeira, desferindo dois chutes na boca do pai.

    — Quando ele toma a medicação, ele fica tranquilo. Ele participava de projetos sociais para ocupar a mente dele e agora ele está assim, deu no que deu. Os internautas estão me massacrando, chamam meu filho de bandido. Isso está doendo. Ele errou e eu concordo, mas ele também é doente.

    Desempregado, Caldeira alega que procurou o Ministério Público de Minas Gerais diversas vezes para buscar ajuda para o adolescente, sem sucesso. A reportagem  tentou entrar em contato com a promotora de Justiça da Infância e Juventude de Araçuaí, mas foi informada de que ela estava em reunião.