• Publicado em

    Casal é preso por manter os 13 filhos em cativeiro nos EUA

    As vítima estavam em um ambiente escuro e com mau cheiro, além de estarem desnutridas e, algumas, amarradas nas camas
    Um casal foi preso na segunda-feira, 15, na Califórnia, acusado de tortura por manter os 13 filhos encarcerados em condições insalubres. As vítimas, entre 2 e 29 anos de idade, foram encontradas amarradas nas camas e com sinais de desnutrição na casa da família, detalhou um comunicado das autoridades do condado de Riverside, no sul do estado.

    David Allen Turpin, de 57 anos, e Louise Anna Turpin, de 49, enfrentam possíveis acusações de tortura e por colocar em risco a vida dos filhos. Eles foram levados para o centro de detenção local Robert Presley. As autoridades policiais estabeleceram fiança de US$ 9 milhões para cada um.

    A polícia descobriu o que ocorria na casa porque uma das vítimas, uma jovem de 17 anos, conseguiu fugir da residência, situada na cidade de Perris, e chamou os agentes por meio do telefone de emergência. Segundo o relato policial, a adolescente narrou que ela e os 12 irmãos estavam sequestrados pelos pais na própria casa, alguns amarrados com cadeados.

    Com a denúncia, os agentes entraram em contato com os pais, que “foram incapazes de dar uma razão lógica para o fato de os filhos estarem retidos dessa maneira”, explicaram os policiais. Na casa, as autoridades se surpreenderam ao ver que muitas das vítimas aparentavam ser mais novas do que a idade que tinham, provavelmente devido às péssimas condições nas quais os pais as mantinham.A jovem que avisou sobre a situação, por exemplo, embora tivesse 17 anos, aparentava ter apenas 10. A princípio, a polícia pensou que todas as vítimas eram menores de idade, mas descobriram que havia sete adultos com idade entre 18 e 29 anos.

    Os agentes encontraram “muitas das crianças amarradas nas camas com cordas e cadeados em um ambiente escuro e com mau cheiro”, descreveu a polícia, além de estarem sujas e aparentarem desnutrição. Todas as vítimas receberam tratamento em hospitais da região e foram alimentadas.