• Publicado em

    Comovente: Mulher ganha carro em rifa e devolve prêmio a criança

    Isabel Soares foi sorteada na rifa de um carro que comprou para ajudar uma criança que precisava arrecadar R$ 20 mil para uma cirurgia, mas devolveu o prêmio

    Uma atitude solidária comoveu moradores de Petrópolis, Rio de Janeiro, nesta semana.

    A cabeleireira Isabel Soares devolveu o carro que ganhou em uma rifa beneficente para ajudar o menino Akonn Hyohann, de 3 anos, que precisa de um tratamento para não perder a visão.

    Isabel foi sorteada na rifa para ganhar um carro Fiat Uno, que comprou para ajudar a criança.

    O pequeno Akonn foi diagnosticado no ano passado com três doenças diferentes no olho esquerdo, e necessitava da cirurgia o mais rápido possível para não perder totalmente a visão. O custo, apenas da cirurgia, é de R$ 20 mil.

    Documento da doação (foto: Reprodução/Internet)Sem condições de conseguir o dinheiro tão rápido, os pais do menino começaram a organizar almoços beneficentes, ações entre amigos, e decidiram rifar o único bem que eles tinham, um Fiat Uno ano 2006, chamado carinhosamente pelo menino de “Nuno”. O carro é usado como ferramenta de trabalho do pai, que é vendedor de roupas de cama de porta em porta. O sorteio do carro foi realizado no dia 31/1 e Isabel estava como bilhete premiado, mas ela devolveu o veículo aos pais da criança.
    Como o sorteio correu pela Loteria Federal, foi preciso que Isabel formalizasse a concessão. Ela assinou um documento doando o veículo para o pequeno Akonn, sob responsabilidade de seus pais, e tudo foi registrado no cartório.
    A mãe do menino, Jéssica Verdugo, postou uma mensagem de agradecimento na página do Facebook criada para divulgar a venda das rifas. “Deus entrou com mais uma providência, a tia (Isabel) que foi sorteada doou o ‘Nuno’ para mim novamente”, diz um trecho da mensagem. “Jamais poderemos lhe agradecer por esse ato tão heróico, obrigada por tudo”, finaliza.

    Akonn foi operado em 8 de dezembro. Atualmente, ele está em processo de recuperação, que ainda deve durar cerca de cinco anos.

    (foto: Reprodução/Internet)
    (foto: Reprodução/Internet)



    Via Correio Braziliense