• Publicado em

    Corpos carbonizados podem ser de irmãos desaparecidos

    Pais de dois homens temem que vítimas sejam filhos que sumiram na quinta-feira (13), diz IML. Material genético coletado deve ser analisado em Goiânia.
    COMPARTILHE

    De acordo matéria do G1 GO, os corpos de duas pessoas foram encontrados carbonizados dentro de um carro em Santa Helena de Goiás, no sudoeste do estado, e famílias de dois homens desaparecidos em Turvelândia, na mesma região, temem que vítimas sejam os parentes que sumiram. Coordenador da Polícia Técnico-Científica da região, Edval José de Souza, informou que os pais procuraram Instituto Médico Legal (IML) de Rio Verde e tiveram material genético coletado para identificação.

    Os corpos foram achados dentro de um veículo em um canavial em Santa Helena de Goiás, no sábado (15). No entanto, conforme Souza, não foi possível identificar as vítimas ou o carro em que estavam. Os corpos foram levados para o IML de Rio Verde.

    Segundo o coordenador, os pais de dois homens que estão desaparecidos desde quinta-feira (13) compareceram ao IML nesta segunda-feira (17) para ter material genético coletado e tentar comparar com o que foi colhido dos corpos. O metarial deve ser levado para Goiânia para identificação.

    “Os familiares disseram que os dois têm uma boate em Maurilândia. Eles teriam ido trabalhar na quinta-feira e não foram mais vistos. Colhemos material deles e vamos enviar nesta terça-feira (18) para o IML de Goiânia, que deve fazer a análise e nos enviar o resultado. No entanto, não há previsão de quando ficará pronto”, disse Souza ao G1.

    Ainda segundo ele, agentes realizaram perícia no local, mas os laudos só devem ser finalizados nos próximos 15 dias.

    Investigações

    O delegado responsável pelo caso, Thiago Latorre Costa, informou que ainda não há indícios que mostrem se as vítimas foram assassinadas ou se houve algum acidente. Ele afirma ainda que não há testemunhas do ocorrido e aguarda resultados da perícia e de exames do IML.

    “Sem a identificação das vítimas não conseguimos levantar se eles sofriam ameaças, ou o que pode ter acontecido. Aguardamos os laudos da perícia que podem nos dar detalhes sobre o que ocorreu. Depois dos resultados dos exames de DNA podemos apurar melhor as mortes”, afirmou.

    Ainda segundo Costa, os familiares que procuraram o IML não chegaram a registrar ocorrência do desaparecimento dos filhos.