• Publicado em

    Crítica Musical: Caravanas – Chico Buarque mostra maestria em novo disco

    23º álbum de estúdio traz referências de antigos discos e letras antenadas com a realidade, como de costume; Disco está disponível nas plataformas digitais e em breve nas lojas físicas
    COMPARTILHE

    *Coluna Crítica Musical
    *Jornalista / Editor Geral BH/MG
    *Colaborador (Portal JTI)

    *Felipe José de Jesus
    *💿Avaliação do álbum: Cinco estrelas
    *💿Avaliação máxima: Cinco estrelas
    *Siga o Instagram👉: @felipe_jesusjornalista_

    Com uma discografia repleta de sucessos, Chico Buarque retorna a música com seu mais novo disco “Caravanas (2017)”, lançado pela gravadora Biscoito Fino. O disco é o seu 23° álbum de estúdio e foi lançado recentemente (dia 25 de agosto) nas plataformas digitais trazendo nove canções inéditas, sendo todas compostas por ele mesmo (com algumas parcerias musicais) e duas canções retiradas de seu antigo repertório musical. Em Caravanas, Chico em seus 73 anos de vida traz samba, blues e claro, valsa. Luiz Claudio Ramos assina os arranjos e a produção musical. A produção é de Vinicius França.

    e094df42-4136-4338-be17-5cd15868b604_chicobuarquecaravanascapaalbum

    Entre as faixas do álbum, Tua Cantiga (Chico Buarque/Cristóvão Bastos) foi a primeira canção a ser lançada para o público e como de costume, trás o estilo Chico Buarque de ser: inteligente, sagaz e acima de tudo, antenado com as questões sociais / políticas que cercam o país. Mas, além dessa primeira música, o disco traz mais oito canções bem interessantes como Blues pra Bia (Chico Buarque); A Moça do Sonho (Chico Buarque/Edu Lobo); Jogo de Bola (Chico Buarque); Massarandupió (Chico Buarque/Chico Brown); Dueto (Chico Buarque) – com Clara Buarque; Casualmente (Chico Buarque e Jorge Helder); Desaforos (Chico Buarque) e As Caravanas (Chico Buarque) – com Rafael Mike. Todas elas fazem reviver aquele Chico Buarque dos álbuns: Vida (1980) Almanaque (1982) e Chico (1984), fase bem produtiva do cantor e com turnês gigantes pelo Brasil.

    Capa do novo disco

    Além das referências, a voz de Chico Buarque (incrivelmente) continua a mesma, o que traz para os fãs, “como eu”, uma imensa alegria de ouvir o álbum. Mas como todo trabalho de Chico Buarque atrai os olhares da imprensa, fãs e até mesmo de pessoas que não conhecem muito sua trajetória musical, em tempos digitais isso não seria diferente. Semanas antes do lançamento do disco As Caravanas, Sua Cantiga, primeira faixa do disco já vinha causando furor em algumas mulheres (talvez menos acostumadas com o olhar crítico e inteligente de Chico), que reclamaram abertamente nas Redes Sociais da canção que em um trecho diz: “Quando teu coração suplicar, Ou quando teu capricho exigir, Largo mulher e filhos, E de joelhos, Vou te seguir”. Mas nada que abalasse a maestria deste grande artista brasileiro que já enfrentou coisas piores que as criticas publicadas atualmente na web, como por exemplo, o período “pesado” da Ditadura Militar.

    Violão mágico

    Em Caravanas, Chico Buarque traz o seu velho e conhecido violão, violão que recheou os seus discos dos anos de 1970 como: Construção (1971); Chico Canta (1973); Sinal Fechado (1974); Meus Caros Amigos (1976); Chico (1978). Fica fácil perceber o som nas faixas, principalmente na canção As Caravanas. Vale lembrar que o novo disco antecede o seu anterior, Chico (2011), que excursionou por algumas cidades e rendeu o registro Ao Vivo – Na Carreira (2012). Todavia, de longe, Caravanas está bem mais trabalhado que o disco anterior e com arranjos maravilhosos. Neste novo trabalho Chico trás a participação (vocal) de sua neta Clara Buarque, na música Dueto, canção escrita por ele e por seu neto Chico Brown (filho de Carlinhos Brow).

    ARQUIVO 21/08/2017 CADERNO2 / CADERNO 2 / C2 / USO EDITORIAL RESTRITO / O CANTOR E COMPOSITOR CHICO BUARQUE, QUE LANÇA NOVO DISCO, CARAVANAS, NESTA SEMANA. FOTO LEO AVERSA

    Avaliação do disco

    Em relação a avaliação do álbum, dou cinco estrelas porque o disco volta às origens do cantor e talvez, pelo tempo de produção e tempo de intervalo entre esse trabalho e o anterior, Caravanas reacende a alegria dos fãs que estavam com saudades de ouvir o Chico. Um disco com melodias de qualidade e letras que trazem de volta aquele Chico Buarque que já conhecemos. Se você ainda não ouviu Caravanas, o novo disco já está disponível nas plataformas digitais tanto no Spotify como também no Deezer. Mas, nas lojas físicas o disco ainda não chegou, todavia a Saraiva já está fazendo reservas para os fãs que desejam comprar o álbum. Ainda não foi anunciado também em vinil, mas, para quem gosta, agora é torcer para que a gravadora Biscoito Fino libere o álbum em vinil. Além do disco, vamos torcer para que Chico Buarque também excursione pelo Brasil com a turnê de Caravanas. Público é o que não faltará, eu, por exemplo, estarei lá.

    E você, já escutou o novo disco de Chico Buarque? Se ainda não, corra e escute porque está magnífico. Se já escutou, me diga o que achou desse novo trabalho do cantor. Até a próxima coluna Crítica Musical.



  • Participe do debate em nosso grupo no Facebook