• Publicado em

    Enceramento do projeto Rio Verde sem drogas

    A delegada regional agradeceu aos professores, a direção da escola, a secretaria municipal de educação, os pais, e todos os alunos.

    De acordo informações da Assessoria de Imprensa 8ª DRP, nesta quarta-feira (06) a Polícia Civil e a Secretaria Municipal de Educação, realizaram o encerramento de mais uma edição do Projeto Rio Verde Sem Drogas.

    A última escola a receber o projeto durante este ano, foi a Escola Municipal Rural de Ensino Fundamental (EMERF) Cabeceira Alta, onde durante o mês de novembro e parte do mês de dezembro, alunos, pais, professores, e demais servidores da unidade escolar, receberam orientações referentes a vários problemas sociais, que infelizmente atingem também as escolas do país, entre eles, bullying, alto mutilação, e drogas.
    Durante todo o dia, alunos mostraram o que aprenderam, com apresentações de peças teatrais, músicas e redações, com o conteúdo relacionado a tudo que foi abordado durante o projeto.
    Um panfleto elaborado pelos alunos e distribuído na escola chamou a atenção pela qualidade das informações divulgadas, mostrando que eles realmente aprenderam muito com as palestras que foram realizadas por servidores da Polícia Civil.

    Compartilhe esta matéria e concorra a R$ 500 reais. (clique aqui e veja as regras)

    A psicóloga Gene de Oliveira Cardoso, que é vinculada a Policia Civil, manteve em 10 etapas, um contato direto com alunos e professores. Ela realizou atendimento individual de muitos alunos, orientando a todos como controlar crises de raiva ou ódio, resistir ao tráfico e uso de drogas, entre outras situações que eventualmente serão comuns na vida deles.
    Muitos estudantes foram premiados com medalhas e brindes.
    A delegada regional agradeceu aos professores, a direção da escola, a secretaria municipal de educação, os pais, e todos os alunos.
    Ela ainda recomendou a todos que se esforcem para serem bons cidadãos.
    “Com tudo que ensinamos neste projeto, esperamos não receber nenhum de vocês na delegacia, a não ser para trabalhar, como delegado ou policial civil”. Concluiu Taisa.
    Em 2018 o projeto irá contemplar outras escolas.