• Publicado em

    Homem morto por mãe PM em escola é apontado como chefe de quadrilha que queimou aposentado

    Em tentativa de assalto em Susano (SP), uma policial à paisana defendeu mães e crianças que participavam de evento escolar

    O delegado Edson Gianuzzi, que atua no Distrito Central de Suzano, deu detalhes em entrevista ao G1 nesta terça-feira (15) sobre Elivelton Neves Moreira,  identificado como o homem que sacou uma arma em frente a uma escola particular no último sábado (12) e foi morto por uma policial à paisana.

    De acordo com o delegado, o rapaz, de 20 anos, era líder de uma quadrilha que assaltou e matou carbonizado o aposentado Renato Brígido, de 58 anos, em 2017. Na época, sete pessoas foram indiciadas por latrocínio, ocultação de cadáver e formação de quadrilha. Elivelton ainda era suspeito de outras contravenções.

    A vítima saiu de casa às 23h para ir à casa do filho, mas foi interceptado por dois homens. Segundo a polícia, gritos de socorro do aposentado foram ouvidos no local mas não foram identificados, e seu corpo foi encontrado quase 20 dias depois, reconhecido por teste de DNA. Dados bancários e cartões não foram usados, e somente o carro foi levado.

    “Esse rapaz foi apontado como chefe da quadrilha, durante o inquérito, por outros envolvidos”, disse Gianuzzi ao portal. Seguindo as evidências do caso, a Polícia Civil pediu a prisão temporária do jovem, mas ele não foi localizado. Um pedido de prisão preventiva teria sido negado pela Justiça.

    Ainda segundo o história apresentada pelo delegado, aos 17 anos (2014), Elivelton respondeu por embriaguez ao volante e foi levado para a Fundação Casa por roubo após alguns meses. Aos 18 anos (2015), foi suspeito de utilizar simulacro de arma de fogo, e preso em flagrante por receptação de veículo, sendo solto em 19 (2016). Sua última passagem foi em agosto de 2017, por falta de CNH e adulteração de veículo.

    Os processos, no entanto, não constam no Tribunal de Justiça de São Paulo, conforme apurado pelo G1. O Ministério Público ainda não se pronunciou sobre o pedido de prisão.

    Tentativa de assalto

    Uma câmera de segurança gravou a ação rápida da policial Kátia da Silva Sastre ao ouvir uma mãe alertar sobre o assalto em frente ao Colégio Ferreira Master, no bairro Cidade Cruzeiro do Sul, em Suzano. Durante sua folga, ela participava das comemorações de Dia das Mães na escola dos seus dois filhos quando um homem apareceu na rua e apontou uma arma em direção às outras mães e às crianças.

    Aproximando-se do suspeito, ela sacou sua arma e fez três disparos contra ele. O homem atirou, mas não acertou ninguém. Um segundo disparo dele falhou. A policial conseguiu chegar mais perto e chutar a arma que ele carregava para longe, rendendo-o.

    Ele foi socorrido para a Santa Casa de Suzano, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. O caso foi encaminhado para o Distrito Policial Central de Suzano. Fonte/O Popular