• Publicado em

    Iris Rezende tende a apoiar Maguito Vilela e a vetar Daniel Vilela para governador

    Embora o aprecie e respeite, Iris não vai embarcar na campanha do senador Ronaldo Caiado, do DEM.
    COMPARTILHE

    Segundo matéria publicada no Jornal Opção, durante algum tempo, quando não era prefeito de Goiânia, o peemedebista Iris Rezende e iristas criticaram Maguito Vilela, quando prefeito de Aparecida de Goiânia, por manter relações cordiais, quase sempre mais administrativas do que quaisquer outras coisas, com o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB). No momento, o prefeito Iris Rezende, ante a grave crise da prefeitura e do país, abriu conversações com o tucano-chefe e estabeleceu as mesmas relações cordiais que, antes, criticava. Mostra, além de realismo, um ligeiro estadismo.

    Há em Iris Rezende o gestor e o político. O administrador é pragmático, daí a abertura de conversações com o governador tucano. Do ponto de vista estritamente político, quer interferir no processo para governador, em 2018. Mas vai se posicionar com mais firmeza no próximo ano, quando avalia que estará com a prefeitura estruturada e com as obras deslanchando. Por enquanto, segundo seus aliados, vai deixar as águas correrem. Mas recentemente, por vias indiretas, enviou dois recados ao vilelismo: irá apoiar um candidato do PMDB a governador de Goiás, ou seja, embora o aprecie e respeite, não vai embarcar na campanha do senador Ronaldo Caiado, do DEM.

    Entretanto, o peemedebista deixou um recado explícito ao vilelismo: se o candidato a governador pelo PMDB for Maguito Vilela, não terá qualquer problema e poderá apoiá-lo. Porém, se o candidato for Daniel Vilela, mesmo podendo apoiá-lo, por ser do partido, hesitará um pouco mais. Há um contencioso entre o irismo e o deputado. Quando este disputou a presidência do PMDB regional com Nailton “Rezendinho” Oliveira, preposto de Iris Rezende, teria feito críticas ao caciquismo do decano peemedebista. A derrota de Nailton Oliveira foi comemorada como se fosse uma derrota de Iris Rezende, o que de fato foi. Era a primeira vez que um integrante do vilelismo, finalmente dotado de coragem, enfrentava um irista e, sobretudo, o derrotava. O veterano peemedebista ficou ressentido. A rigor, Daniel Vilela não faz críticas cerradas e descorteses a Iris Rezende, mas, ao derrotar seu candidato a presidente do PMDB, desagradou-o profundamente. O prefeito sentiu-se, até, ultrajado.