• Publicado em

    Justiça nega recurso de Trump para retomar veto a imigrantes

    Ordem do presidente barra imigrantes de sete países de maioria muçulmana

    A Justiça dos EUA negou na madrugada de domingo (5) uma apelação emergencial do Departamento de Justiça para restaurar a ordem executiva do presidente Donald Trump que barra imigrantes de sete países de maioria muçulmana.

    A decisão mantém o bloqueio suspenso até que o caso seja julgado por completo.

    O governo Trump pedia para retomar a medida imediatamente.

    O 9º Tribunal de Apelações dos EUA, em São Francisco, negou o recurso e determinou que o Departamento de Justiça e as partes que questionam a medida apresentem novos argumentos até segunda-feira (6) à tarde.

    O pedido para suspender a ordem de Trump veio de procuradores estaduais, que consideram o decreto para barrar imigrantes inconstitucional.

    O Departamento de Justiça argumenta que os Estados não têm autoridade para questionar uma ordem executiva e que o presidente tem “autoridade indiscutível” para impedir qualquer grupo estrangeiro de entrar no país.

    Na sexta (3), o Tribunal Federal de Seattle determinou a suspensão do decreto de Trump, assinado uma semana antes.

    Pelas redes sociais, Trump criticou durante o juiz James Robart, que tomou a decisão. “A decisão deste pseudo juiz, que essencialmente tira do nosso país o cumprimento da lei, é ridícula e será derrubada!.”. Foram postadas várias mensagens contra o magistrado ao longo do sábado (4).

    Com a suspensão do decreto, os cidadãos dos sete países de maioria muçulmana (Iêmen, Irã, Iraque, Líbia, Síria, Somália e Sudão) que estavam impedidos de entrar nos EUA por 90 dias passaram a ser aceitos pelas companhias aéreas no embarque de voos para solo americano.

    Isso provocou uma corrida aos aeroportos da Europa e do Oriente Médio para entrar antes do fim do recurso. Os vistos voltaram a ser aceitos por companhias aéreas como Emirates, Etihad, Turkish Airlines, Iberia, Air France e Lufthansa. Com informações da Folhapress.

    naom_588dc306d7c19

  • Participe do debate em nosso grupo no Facebook