• Publicado em

    Mãe de bebê que foi “pescado” no mar: “As pessoas precisam parar de julgar”

    O menino de 1 ano e seis meses fugiu da barraca em que os pais estavam acampados e correu para a água. Um homem que estava pescando fisgou a criança horas depois e achou que era uma boneca

    De acordo matéria da revista Crescer, GacordGus Hutt costuma pescar sempre na praia de Matata, na Nova Zelândia, mas, no dia 26 de outubro, decidiu mudar e ficar 100 metros mais adiante de seu ponto preferido. Então, ao lançar sua vara no oceano, fisgou algo muito diferente do habitual: um bebê! “Ele estava flutuando em um ritmo constante. Se fosse um minuto mais tarde, eu não o teria visto. Ele foi muito sortudo; não era a hora dele”, disse o pescador ao jornal local Stuff.

    O menino, chamado Malachi, tinha ido acampar pela primeira vez com os pais e estava muito animado. Na primeira manhã, por volta das 7h, ele abriu, sozinho, o zíper da barraca e correu para a água. Quando a gerente do camping Murphy’s Holiday, onde a família estava, acordou a mãe do garoto, Jessica Whyte, às 7h30 da manhã para contar que tinham encotrado seu filho no mar. “Ela disse: ‘vocês têm um filho pequeno?’ e, então, contou que ele tinha sido achado na água”, contou a mãe. “Os momentos entre escutar isso e vê-lo de novo foram horríveis. Eu acho que meu coração não funcionou. Parou de bater”, descreveu. “Foi assustador, mas ele estava respirando, estava vivo. Deus, foi maravilhoso vê-lo. Eu o abracei muito forte”. A mãe contou que, geralmente, a criança só acordava depois das 8h, mas o som das ondas o despertou. Na noite anterior, quando a família chegou ao camping, ele já ficava tentando correr para a água, mas os pais o impediam.

    O pescador salvou a vida do garoto, que correu para o mar sozinho, sem que os pais vissem (Foto: Reprodução/ Facebook)

    Parem de julgar
    Na entrevista, Jessica desabafou, dizendo que sabia que muitos pais já a julgavam. “Jamais o deixaríamos correr para a água sozinho. As pessoas precisam parar com esse tipo de pensamento acusatório. Eles podem pensar que somos pais ruins, mas estou mais preocupada em alertar as pessoas para fecharem bem o zíper de suas barracas, quando acamparem com crianças. Fechem o zíper. E fechem com mais cuidado ainda se tiverem uma criança que possa abrir”, alertou.

    Jessica contou ainda que, ao contrário do que muitos podem pensar, o menino não ficou com medo da água e continua amando até tomar banho, por exemplo. “Ele continua sendo ele mesmo. Talvez um pouco mais consciente a respeito da água e de não correr sozinho para o mar, mas ele, definitivamente, continua ele mesmo”, declarou.

    O herói de Malachi
    Ao entregar Malachi com vida de volta para seus pais, Gus Hutt, o pescador, não conseguia conter as lágrimas de emoção. Ele acabara de salvar a vida de uma criança. A mãe não se cansava de agradecê-lo, aos prantos. Gus lembrou do momento em que pegou o menino na água. “O rosto dele parecia porcelana e o cabelo curto dele estava todo para baixo”, disse ele, que achou, a princípio, que se tratava de uma boneca. “Mas aí ele deu um grito e eu pensei: ‘Ah, meu Deus, é um bebê. E está vivo!’, contou.

    O pescador, então, tentou refazer o caminho que Malachi provavelmente teria feito até a água e chegou ao acampamento, a 15 metros, mais ou menos, do local onde ele estava pescando. Então, avisou a gerente, que chamou os pais. Enquanto chorava e agradecia efusivamente a Hutt, a mãe tentava manter o menino, que tentava dormir, acordado, até que o serviço de emergência chegasse. Malachi está recuperado e passa bem. Jessica, a mãe, disse que jamais conseguiria agradecer o suficiente ao homem e que espera visitá-lo em breve. Ainda bem que essa história teve um final feliz.