• Publicado em

    Músico pode ter sido assassinado em clínica do RJ: ‘Dentes arrebentados’

    Para família, algo aconteceu durante o tempo em que Mário Travassos ficou internado.
    COMPARTILHE

    Um músico muito querido do Rio de Janeiro morreu nesse fim de semana em um clínica da Gávea, na Zona Sul do Rio de Janeiro. De acordo com informações da mídia carioca, Mário Travassos tinha 39 anos e, para sua família, algo muito estranho aconteceu enquanto ele estava internado em uma clínica da cidade.

    A família desconfia que Mário possa ter sido agredido por alguém da unidade, como uma médico ou enfermeiro. A esposa do músico utilizou uma página na internet para dar o seu adeus. Ela disse que perdeu a grande luz e o colorido da sua vida.

    Mário Travassos é internado em hospital psiquiátrico e morre

    O músico é filho do ex-vice-prefeito de Niterói, Luiz Eduardo Travassos.

    Ele tinha o costume de se internar sozinho, todas as vezes em que tinha alguma crise. Na quarta-feira da semana passada (12), ele foi levado ao Hospital Psiquiátrico de Jurujuba e apresentava sintomas como ansiedade.

    Vítima: Mário Travassos tinha 39 anos

    Lá, especialistas acreditaram que ele teria um tratamento melhor em outra unidade, mas a transferência não foi comunicada à família. Um dia após chegar à clínica no bairro da Gávea, o músico Mário Travassos acabou sendo encontrado sem vida eu seu leito. O hospital, inclusive, não teria nem mesmo dado atestado de óbito a Mário.

    Rosto de músico estava completamente machucado, o que aumenta suspeita da família

    O tio do músico conversou com o ‘Bom Dia Rio’, da TV Globo, e deu mais detalhes sobre o caso. Ele diz que, aparentemente, um carro do corpo de bombeiro teria levado o corpo até o Instituto Médico-Legal (IML).

    O cadáver chegou ao local como indigente. Ele ressaltou que o profissional da música era uma pessoa muito doce e boa, mas que tinha episódios de ansiedade e depressão. O rapaz se cuidaria bastante e, por isso, tinha como hábito, todas as vezes que tinha alguma crise, internar-se.

    Polícia abre investigação sobre o caso

    A Polícia Civil do Rio de Janeiro decidiu investigar o caso. A investigação ainda vai decidir se o caso vai ser apurado como doloso ou culposo, quando há ou não intenção de matar.

    “A modo como ele estava no caixão, machucado, com afundamento na cabeça, com corte na cabeça”, disse o tio da vítima, que ainda informou que ele estava com a boca muito machucada. Para os familiares, podem ser marcas de agressões ou destrato no hospital, que não se pronunciou até o momento.




    Fonte/É Manchete Blasting News