• Publicado em

    Operação “Gran Família” cumpre cinco mandados de prisão em Rio Verde

    Operação do Gaeco cumpre 13 mandados de prisão por fraudes e lavagem de dinheiro

    De acordo informações divulgadas pela Assessoria de Comunicação Social do MP-GO , o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou, na manhã desta terça-feira (26/2), a Operação Gran Família. Estão sendo cumpridos 13 mandados de prisão temporária e 17 de busca e apreensão nos Estados de Goiás, Mato Grosso e São Paulo. A investigação, realizada pelo Núcleo Regional do Entorno do Distrito Federal (Luziânia) do Gaeco, apura crimes de falsidade (ideológica e material), uso de documentos falsos e lavagem de dinheiro na comercialização de grãos, praticados sob o comando de um grupo de pessoas da mesma família que residem em Rio Verde e Cristalina. Integrantes do Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (Cira) acompanham a operação.

    Leia também: Menino sobrevive após ser picado por cobra duas vezes seguidas, em Jataí 

    Estão sendo cumpridos, simultaneamente, cinco mandados de prisão em Rio Verde, quatro em Cristalina, um em Senador Canedo, dois no Estado do Mato Grosso e um em São Paulo. Foi determinado o bloqueio bens dos envolvidos no valor de R$ 35 milhões. Segundo foi apurado, o grupo criminoso se valia de empresas de fachada constituídas em outros Estados para comercializar grãos produzidos em Goiás burlando a fiscalização tributária.

    A mercadoria produzida em Goiás era adquirida por membros do grupo sem nota fiscal do produtor e remetida para outros Estados com notas fiscais das empresas de fachada, o que fomentava concorrência desleal em relação aos produtores que atuam de forma legal.

    Uma das empresas operadas pelo grupo, localizada no Mato Grosso, movimentou mais de R$ 100 milhões entre os anos de 2013 e 2014, valores que foram remetidos para produtores goianos e para membros do grupo criminoso. A movimentação relacionada a essa empresa ensejou a autuação pela Secretaria da Fazenda de Goiás (Sefaz) de membros do grupo na ordem de R$ 35 milhões.

    A Operação está sendo realizada em conjunto com o Gaeco Central, pelos Gaecos do Mato Grosso e de Campinas (SP), pelo Centro de Inteligência do Ministério Público de Goiás, Polícia Civil e Sefaz. Delegados e agentes da Polícia Civil de Goiás, juntamente com agentes fazendários, cumprem os mandados no Estado em apoio a membros do Ministério Público.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.