• Publicado em

    Os bastidores das cenas de sexo no cinema

    .

    As cenas de sexo são exploradas com diversas finalidades no cinema, seja criar empatia, paixão, amor e muitas vezes desconforto em quem está assistindo.

    Mas criar essas cenas e atuar em si é sempre uma tarefa complicada.

    Confira algumas curiosidade sobre os bastidores de algumas cenas de sexo mais icônicas do cinema, algumas já reveladas na lista com as cenas de sexo mais polêmicas do cinema:

    Último Tango em Paris (1972)

    Último Tango em Paris

    De acordo com a atriz Maria Schneider, a famosa “cena da manteiga” não estava no roteiro, e foi improvisada no último minuto por Marlon Brando e pelo diretor Bernardo Bertolucci, sem consultá-la. A atriz ainda revelou que as suas lagrimas na cena foram verdadeiras e que se sentiu estuprada com o ato de sodomia.

    Lolita (1997)

    Lolita

    A atriz Dominique Swain tinha apenas 15 anos durante as filmagens do filme e ainda interpretava o papel de uma menina de 12 anos, que mantém relações com o seu padrasto, interpretado por Jeremy Irons, por isso as cenas de sexo tiveram de ser gravadas com um travesseiro entre os atores e o com pais da atriz presente no set.

    Azul é a Cor Mais Quente (2013)

    Azul é a Cor Mais Quente

    Para a cena de sexo mais longa do filme o diretor Abdellatif Kechiche fez com que as atrizes Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux gravassem assim que chegassem ao set, em seu primeiro dia de gravações e sem tempo para que as atrizes se conhecessem, além de repetir diversas tomadas a exaustão. Tudo isso para criar o desconforto que o diretor julgava necessário transmitir.

    Ninfomaníaca (2014)

    Ninfomaníaca

    O diretor Lars von Trier não abria mão das cenas de sexo explícito no filme, então os atores utilizaram dubles de corpo, que foram escolhidos a partir de filmes pornográficos. Ainda assim para conseguir o papel Shia LaBeouf se dispôs a atuar nas cenas, e mais, mandou uma foto de seu pênis para o diretor, afim de ser aprovado para o elenco.

    Shortbus (2005)

    Shortbus

    Durante a seleção do elenco todos os candidatos tiveram que gravar um vídeo de 10 minutos em que descreviam uma experiência sexual importante que tiveram. Já para deixar os atores mais à vontade, o diretor John Cameron Mitchell e os cinegrafistas ficaram nus ao rodar a cena da orgia, e os participantes da cena são creditados como “sextras”, ao término do filme.

    Na maior parte das cenas os atores utilizam próteses para não se expor, e muitas vezes se quer estão sem roupas e tudo não passa de um jogo de câmera, angulo certo para que tudo pareça real. A tensão sexual muitas vezes passam longe das cenas, veja abaixo um vídeo com os bastidores da cena de sexo em Stretch, envolvendo Brooklyn Decker e Patrick Wilson, e a descontração antes da cena e o profissionalismo exigido:

     

    Fonte/Cinema a Dois

  • Participe do debate em nosso grupo no Facebook