• Publicado em

    Polícia faz batida e acaba com festa que oferecia “rodízio open xeca”, em Goiás

    Evento cobrava R$ 300 pela entrada de cada homem, que poderia fazer sexo com mulheres que recebiam cachê para estar no local

    O que prometia ser uma noite inesquecível, com “rodízio open xeca”, virou caso de polícia em Águas Lindas de Goiás, cidade a 203 quilômetros de Goiânia, na madrugada desta quarta-feira (6/2). As informações são do Portal Metrópoles.

    Em panfleto (veja abaixo) divulgado nas redes sociais e aplicativos como o WhatsApp, a casa de shows Rancho do Patrão anunciava uma festa diferente: os homens poderiam fazer sexo livremente com garotas de programa contratadas mediante pagamento de cachê pelos organizadores.

    Leia também:  Otavio Ugá: 8 filmes com sexo explícito mais polêmicos do cinema (+18)

    Para participar da orgia, era preciso desembolsar R$ 300 pelo ingresso. A propaganda acabou viralizando e chegou até a área de inteligência do Batalhão da Polícia Militar de Águas Lindas, que decidiu investigar o possível crime de exploração sexual. Foi deflagrada uma operação de revista durante a festa.

    O organizador do evento, cujo nome não foi revelado, acabou sendo levado para a delegacia após os militares encontrarem cerca de 50 gramas de maconha com ele. No Centro Integrado de Operações em Segurança (Ciops) de Águas Lindas, em depoimento, ele teria confirmado que o local funcionava como casa de prostituição e que havia contratado garotas de programa para participarem da festa. Acabou autuado por rufianismo, crime que tipifica a exploração sexual.

    Duas mulheres também foram conduzidas à unidade para serem ouvidas. Elas contaram que foram contratadas com a promessa de receberem R$ 400 para fazer parte do grupo que faria sexo com os convidados da festa. Após prestarem depoimento, foram liberadas.

    Ao fazer propaganda do negócio, o organizador informava que entre 15 e 20 mulheres seriam contratadas para atender os homens que pagassem pelos ingressos. “Uma noite inesquecível pra você se deliciar o quanto conseguir”, dizia o panfleto.

    A reportagem ligou para o homem apontado como dono da boate, mas ele não atendeu as ligações.

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.