• Publicado em

    UFG demite professor de Jataí acusado por abuso sexual de aluna durante congresso em Goiânia

    Aluna relatou que caso aconteceu em um apartamento de Goiânia, onde eles estavam hospedados para um congresso. Defesa do servidor alega inocência. Na época das denuncias um movimento de protesto foi feito pelos alunos no campus da universidade.

    A Universidade Federal de Goiás demitiu nesta quarta-feira (12) o professor Rogério Elias Rabelo, denunciado por assédio sexual. Ele deva aula na área de Ciências Agrárias do Campus de Jataí. Uma aluna relatou que o caso aconteceu em um apartamento de Goiânia, onde estavam hospedados para participar de um congresso. A defesa do servidor alega inocência.

    A universitária contou à Polícia Civil que o caso aconteceu em dezembro de 2016, mas teve coragem de denunciar o fato quatro meses depois. De acordo com o relato da aluna, eles foram para um bar. Ela acordou deitada em um colchão no chão e viu o professor nu, sobre ela. Em agosto do ano passado, o Ministério Público Federal denunciou o servidor federal pelo crime.

    Em janeiro deste ano, a universidade chegou a afastar preventivamente o docente. Porém, nesta quarta-feira, a demissão foi publicada no Diário Oficial da União.

    A portaria destaca que o docente foi demitido por infringir os seguintes termpos da Lei nº 8112/90 (que versa sobre regime jurídico de servidores públicos da União):

    • Artigo 117, inciso IX da Lei nº 8112/90: valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de outrem, em detrimento da dignidade da função pública
    • Artigo 132, inciso IV (improbidade administrativa), inciso V (incontinência pública e conduta escandalosa, na repartição) e inciso XIII (Transgressão do inciso IX do artigo 117 [já citado acima]).

    O advogado de defesa, Dielson Guedes, disse que vai recorrer dessa decisão. “Não existe prova nenhuma e nós vamos demonstrar isso perante a própria universidade. Temos 10 dias para isso. E, posteriormente, vamos entrar com ação de nulidade para provar a inocência do professor”, disse. Com informações do site Mais Goias.