• Publicado em

    “Don Juan” acusado de vazar nudes teve morte anunciada em grupo de zap

    No entanto, o Metrópoles apurou que o conquistador está vivo e dormia em casa, tranquilamente, na manhã do último domingo (11/7).

    De acordo matéria do Portal Metrópoles, o motoboy que vazou nudes de um grupo de mulheres e se tornou alvo de ocorrência registrada na Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) teria morrido em um acidente de trânsito, no último fim de semana. Uma mensagem sobre o acidente e fotos da suposta motocicleta do “Don Juan” foram postadas em grupos no WhatsApp.

    O Metrópoles, no entanto, apurou que o conquistador está vivo e dormia em casa, tranquilamente, na manhã do último domingo (11/7). A informação dava conta de que o motoboy teria morrido fazendo o que mais gostava: pilotando motocicletas. Fotografias em perfis de WhatsApp de familiares do conquistador chegaram a estampar a palavra “luto” para dar mais veracidade à informação.

    A mensagem publicada nos grupos foi no sentido de que o motoboy teria tirado a própria vida depois de receber ameaças de morte e ser perseguido nas redes sociais após publicação de reportagens sobre o vazamento de fotos e vídeos íntimos de mulheres que haviam se relacionado com ele. Com o texto, circularam fotos de uma motocicleta acidentada. A reportagem tentou conversar com o “Don Juan” sobre a notícia de sua “morte”, mas ele não respondeu às perguntas.

    Ocorrência policial

    Uma das vítimas do motoboy que teve vídeos e fotos íntimas vazadas na internet registrou ocorrência na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam). Ela descobriu que havia sido exposta após ser alertada por mensagens no perfil do Instagram.

    De acordo com a vítima, o suspeito de compartilhar o material com conteúdo sexual teria exibido dezenas de imagens no grupo, entre piadas e comentários machistas. Os prints foram salvos por integrantes do grupo em que o homem se gabava pelas noites de sexo.

    Uma das mulheres que conversou com o Metrópoles disse ter conhecido o motoboy por meio de um aplicativo de relacionamentos. “Saímos algumas vezes e nos relacionamos sexualmente, sim. Ele tirou fotos minhas, e eu imaginei que ele guardaria, não que jogaria em um grupo. Houve, no entanto, a gravação de um vídeo, sem o meu consentimento”, explicou.

    Outro lado

    Procurado pela reportagem, o motoboy se defendeu alegando que, no caso das 10 mulheres que se reuniram para juntar provas contra o vazamento de fotos e vídeos íntimos, nenhuma delas foi alvo de exposição. “Confesso, sim, que já publiquei fotos e vídeos de mulheres, mas são casos antigos, que não envolvem nenhuma dessas mulheres que estão me denunciando”, alegou.

    O motoboy também confirmou que tinha necessidade de autoafirmação; por isso, fazia as postagens de momentos entre quatro paredes com mulheres que ele conquistava. “Depois de cometer esses erros, me arrependi e pedi desculpas no grupo. Mesmo assim, algumas pessoas se juntaram para me prejudicar. Posso garantir que, recentemente, não divulguei nem compartilhei fotos e vídeos íntimos de nenhuma dessas mulheres”, finalizou.

     

    Repórter Mari JTI

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.