• Publicado em

    Homem escondia fotos do aborto sofrido pela enteada que ele estuprava em Goiás

    De acordo matéria do Metrópoles, um homem de 43 anos foi preso em flagrante no dia 3/9, em Pontalina, cidade que fica a 127 quilômetros de Goiânia, por estupro de vulnerável. Ele é suspeito de abusar sexualmente da enteada, de apenas 13 anos. Ele mantinha no próprio celular imagens do aborto sofrido por ela, dias antes.

    A adolescente teria engravidado do padrasto e manteve a gestação por três meses. No telefone dele, a polícia encontrou fotos de lençóis sujos com o sangue da vítima, datadas de 28/8 deste ano, indicando o registro do aborto.

    No mesmo aparelho, em troca de mensagens pelo WhatsApp, o homem planejava manter relações sexuais com a menor no mesmo dia da prisão. Todos esses elementos foram utilizados para corroborar a prisão em flagrante.

    O homem vivia na mesma casa com a esposa e três enteados, sendo um deles a garota que vinha sendo estuprada. Ao cumprir mandados de busca e apreensão no local, os agentes encontraram documentos que atestaram a gravidez da vítima, como exames laboratoriais e ultrassom.

    Resíduos do embrião

    Além dos papéis, a polícia constatou, ainda, a ocorrência do aborto, pois identificou resíduos do embrião no local. O homem só não estuprou a garota, novamente, no dia da prisão, conforme o combinado pelo WhatsApp, segundo a polícia, porque os agentes chegaram a tempo de cumprir os mandados e prendê-lo.

    Na casa, foi encontrada, ainda, uma arma de fogo em situação irregular. O revólver calibre .38 estava sem documentação ou autorização de uso. O crime de posse ilegal de arma foi acrescentado ao inquérito.

    A polícia descobriu o caso após denúncia anônima. O homem segue preso na unidade prisional de Pontalina, à disposição do Judiciário.

     

    Repórter Mari JTI

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.