• Publicado em

    Ossada achada há 17 anos em chaminé pode ser de brasileira

    Através de exames de DNA foi descoberto que a ossada pode ter parentesco com um padre de Goiás.

    Compartilhe!

    Um crime de quase 20 anos atrás, que ocorreu nos Estados Unidos, poderá finalmente ser desvendado, com a ajuda de um padre brasileiro e de tecnologia de análise de DNA.

    Tudo começou quando o zelador de um edifício no bairro de Dorchester, em Boston, Massachusetts, encontrou um corpo ao limpar a chaminé, em 2005. As informações são do programa Fantástico, da TV Globo.

    “Logo que eu comecei a trabalhar aqui, eu percebi que precisávamos limpar a chaminé. E aí contratei uma empresa para fazer o serviço. Quando abriram o acesso à chaminé, uma mão caiu para fora”, conta o zelador Eric Speller.

    O policial Paul Donovan foi acionado. “Pensei que fossem ossos de animais. Acontece o tempo todo, nos chamam porque encontram ossos, quase nunca são humanos. Mas nesse caso era um esqueleto humano, de um corpo que não havia simplesmente sido colocado ali, mas cuidadosamente escondido”.

    Os investigadores estimaram que a morte havia ocorrido há três anos, pelas condições do esqueleto. No entanto, a vítima nunca havia sido identificada. Segundo os exames, se tratava de uma mulher entre 25 e 35 anos, com cabelos pretos ou castanhos e, de acordo com a análise dos ossos da bacia, já tinha dado à luz pelo menos uma vez.

    A história acabou chegando a 7 mil quilômetros de distância, em um padre brasileiro que vive em Cumari, no interior de Goiás.

    “Meu primo entrou em contato comigo dizendo: ‘Não pense que é um trote. O FBI entrou em contato com o delegado e eles estão em uma investigação policial de uma pessoa que foi assassinada nos Estados Unidos e que bateu correspondência com você no DNA’”, revelou o padre Murah Peixoto Vaz.

    A partir da tecnologia de análise de DNA o padre Murah pode ser localizado. Em 2019, o clérigo descobriu que poderia saber sua ancestralidade a partir de laboratórios de análise genética.

    “Estamos usando essa nova tecnologia – genealogia genética forense – para tentar resolver casos antigos, sem solução. Nesse específico, o DNA apontava que poderia ter um parentesco com alguém no Brasil, de um estado chamado Goiás”, disse o detetive Charlie Daniels, que assumiu o caso.

    As informações genéticas da mulher encontrada em Boston foram colocadas em diversos sites de estudo de ancestralidade. A partir do cruzamento de dados, um dos sites apontou o padre como parente distante da vítima. As autoridades norte-americanas entraram em contato com a Polícia Federal brasileira.

    Agora, o padre Murah recolhe DNA de parentes para tentar descobrir algo novo. Enquanto isso, o zelador do prédio de Boston revelou ao Fantástico uma nova informação: “Antes de eu começar aqui, a pessoa que trabalhava no meu lugar era um brasileiro. A polícia não falou isso para vocês?”.

     

    Repórter Mari JTI/ Via Yahoo

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.