• Publicado em

    Prefeitura intensifica fiscalizações para desobstrução de calçadas em Jataí

    Esses materiais devem ser depositados em caçambas ou no interior da propriedade.

    Compartilhe!

    De acordo informações divulgadas pela Comunicação PMJ, a Diretoria de Fiscalização da Prefeitura de Jataí, após recomendação do Ministério Público de Goiás intensificou as fiscalizações com o objetivo de orientar e também notificar os comerciantes e moradores a retirarem objetos que atrapalham a trafegabilidade de pedestres nas calçadas públicas.

    Conforme a Lei Municipal n° 3.066/2010, é proibido “deixar materiais, bens ou entulhos em vias públicas e calçadas”, sendo punido com multas e, conforme o caso, podendo resultar na apreensão dos materiais. Ainda, conforme a lei, é proibido a obstrução por meio de materiais de construção, como areias e pedras, entulhos provenientes de obras ou demolições, invasão por extensão de edificação, terra, galhos, folhas, restos de poda, limpeza de jardins ou quintais, e objetos inservíveis.

    Esses materiais devem ser depositados em caçambas ou no interior da propriedade. Estando nas vias públicas, bloqueando o acesso, deverá ser removido pelo proprietário ou possuidor a qualquer título do terreno.

    Já a utilização dos passeios e logradouros públicos para a colocação de mesas ou cadeiras, somente podem ser realizados a partir das 18h nos dias úteis, aos sábados depois das 13h e em qualquer horário aos domingos e feriados. Os vendedores ambulantes são proibidos de colocar, sob qualquer pretexto, mesas ou cadeiras nos logradouros públicos ou passeios.

    A Câmara Municipal fez uma proposta de alteração legislativa que prevê alterações no Código de Posturas para permitir o uso parcial das calçadas, que foi apresentado pela Prefeitura ao Ministério Público e aguarda o posicionamento do mesmo.

    Repórter Mari JTI

    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.