• Publicado em

    Projeto de Astronomia para meninas está com inscrições abertas

    Curso é voltado para estudantes de 14 a 17 anos.

    Compartilhe!

    Estão abertas as inscrições para o projeto Astrominas, que oferece curso gratuito de Astronomia para meninas de todo o Brasil. Podem participar pessoas que se identifiquem com o gênero feminino (cis ou trans), ter entre 14 e 17 anos e estar regularmente matriculada em uma escola de Educação Básica pública ou privada. As inscrições ficam abertas até 29 de maio, no site do projeto.

    A previsão é de 400 vagas gratuitas para o Astrominas 2022, que será realizado entre os dias 2 e 22 de julho. O processo seletivo será realizado por meio de um sorteio, garantindo 20% das vagas entre pretas, pardas e indígenas, 60% entre estudantes de escolas públicas e 20% entre estudantes de escolas privadas.

    Com atividades interativas, o curso gratuito inclui palestras de Astronomia, Física, Geociência, Astrobiologia, Ciências Atmosféricas e Matemática, além de rodas de conversa, experimentos e atividades com astrônomas e cientistas brasileiras que participam de pesquisas de ponta.

    Cada participante deverá reservar entre 3 a 4 horas diárias para se dedicar às atividades, no horário que preferir. Ao final, será emitido um certificado digital para as participantes que participarem de todas as atividades obrigatórias.

    O Astrominas é um projeto criado por um grupo de mulheres do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG/USP) e outros institutos da área de exatas. Tem como objetivo facilitar o acesso de jovens alunas à universidade, estreitando o contato dessas meninas com mulheres cientistas, de forma a estimular a escolha e a manutenção das carreiras de Ciência e Tecnologia, desconstruindo a ideia de que as ciências exatas não são para meninas.

    As duas primeiras edições do Astrominas, realizadas respectivamente em 2020 e 2021, receberam mais de 24 mil inscrições. Para atender as selecionadas, o projeto conta com cerca de 150 monitoras para auxiliar, e mais de 60 cientistas já colaboraram com o projeto compartilhando seus conhecimentos.

     

    Fonte: Agência Educa Mais Brasil
    Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
    Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
    Se você se interessou por esse artigo, ao comentar marque a opção publicar também no Facebook.